Mente poética

O CAMINHO DA FELICIDADE/O TEMPO/CARÊNCIA

10 de maio de 2016

 

O CAMINHO DA FELICIDADE

 

Graças ao meu sucesso nos exercícios

senti uma forte vontade de escrever.

Sinto que finalmente o pesadelo está próximo do fim.

Sinto uma melhora enorme em mim: na fala, no andar,

sinto precisão nos movimentos mais finos.

Vejo a felicidade como um sentimento tão rico,

escondido atrás de um muro.

No momento atual, independência significa para mim,

voltar aos palcos, ter minha casa novamente.

Estou me equilibrando em cima desse muro.

Falta muito pouco para que eu caia de

peito aberto nos braços da felicidade.

Minha caminhada até esse muro foi muito sofrida.

O caminho era cheio de pântanos que dificultaram minha jornada,

me sugando e asfixiando.

 

 

 

 

 

 

 

O TEMPO

 

A cada dia que passa o tempo mais me assusta,

porque tenho medo de não conseguir acompanhar sua velocidade.

Percebi isso porque ontem recebi a visita

de um colega de trabalho que participou comigo da minha 1ª novela.

Lembramos alguns fatos que aconteceram durante as gravações:

em primeiríssimo lugar, me espantei ao perceber que já

se foram 7 anos e me senti como se tivesse

perdido alguma coisa muito importante,

chegando à conclusão que joguei fora tempo precioso de vida.

A mudança que sofri com isso foi a intenção de viver de

corpo e coração cada segundo de vida.

 

 

 

 

 

 

 

CARÊNCIA

 

Carência de um abraço, um ombro,

enfim uma pessoa de minha total confiança.

Eu sei que esse sentimento é normal no ser humano mas está difícil!

Eu não estou segurando a onda, mas sei que

tenho um compromisso com

Paulo Silvino, João Paulo Silvino e Diva Silvino.

Para encerrar tenho urgência de ficar bom.

Tem muita gente dependendo da minha melhora.

Os exemplos foram citados antes.

Ponto Final!

 

 

Paulo: Pai.

João Paulo: Irmão.

Diva: Mãe.